sábado, 12 de abril de 2014

Promoção de Março/Abril


Mês passado, devido aos contratempos da vida (serviço, faculdade), não consegui lançar a promoção que sortearia 1 CD do Mauro Moraes.

Assim, lançamos a promoção de abril dupla, e sorteando 3 CDs.

A princípio o sorteio realizar-se-á no dia 29 de abril, e os três CDs são: CD Mauro Moraes (Com o Violão na Garupa); Shana Müller #10Anos (Ao Vivo); e, 01 CD Os 4 Gaudérios, conforme banner acima.

A forma de participação é simples e igual as demais promoções: basta CURTIR a "fan page" do #ProsaGalponeira no facebook (http://www.facebook.com/ProsaGalponeira) e COMPARTILHAR o banner (que esta acima). Podem compartilhar quantas vezes quiserem.

Aguardo a participação de todos, e boa sorte !

Oscar Massitta e Cuarteto Sin Fronteiras em Piratini


Elton Saldanha no Boteco Tchê


Joca Martins no Rio Negrinho - SC


Sonido del Alma Gaucha na praça Dario Lassance


Paulinho Fagundes & Edu Martins no Café Fon Fon


Lyber Bermúdez na Criolla del Prado


Os Monarcas no 35 CTG


3º Canto Campeiro da Canção Nativa de Viamão - Classificadas


 Clarissa Moura - bahstidores@yahoo.com.br

O festival acontece nos dias 26 e 27 de abril de 2014, no Parque de Eventos da ETA ( Escola Técnica de Agricultura). RS 040, parada 64 - em Viamão/RS

Sesmaria do verso
L. Cristiano Medeiros –  Silvio Genro –
M. Adriano Medeiros – Renato Fagundes

Cenário de Galpão
L. M. Mário Amaral

Luzes e Mistérios
L. João Sampaio – Jucelino Voçosa –
M. Halber Lopes –Cristiano Fantinel

Gineteda na Lagoa
L. Joaqui Ramos
M. Diego Vivian

De acordes e Cores
L. Juca Moraes –
M. kauê Dias

Os Saqueadores da Pátria
L. Helena Fontana
M. Sérgio Rosa

Marciliano
L. M. Leonardo Quadros

Me Perdoe Meu Cavalo
L. Hermes Regis Lopes
M. Juliano Moreno

Essa Tal Saudade
L. Miguel Borba
M. Miguel Borba – Andriego Von Laer

Querendão das Feia
L. Luiz Fernando Reis
M. Juliano Moreno

Cruz Colorada
L. M. Paulo dias Garcia

A palavra
L. Mauro Rosa
M. Fernando Saalfeld – Cristiano Quevedo


Fonte: blog BAHstidores

1º Pouso de Tropa da Canção Nativa de Curitibanos/SC - Regulamento

 
 
Mais um festival de música nativista surge no estado de Santa Catarina. Desta feita é o 1º Pouso de Tropa da Canção Nativa, que acontecerá na cidade de Curitibanos, no período entre 18 e 20 de julho de 2014.

As inscrições estão  abertas a compositores de todo o Brasil e podem ser encaminhadas até 15 de abril.


CLIQUE AQUI e acesse o Regulamento completo.


Fonte: blog Ronda dos Festivais

Está definida estrutura artística do 29º Ponche Verde da Canção Gaúcha

Volmir Coelho é jurado e fará show no sábado 8/de Novembro 2014

Está definida estrutura artística do 29º Ponche Verde
O cronograma contempla três shows e dois bailes

As três noites de festival foram confirmadas pela Comissão Organizadora do 29º Ponche Verde da Canção Gaúcha nesta terça-feira (1º). Porém, antes, as sugestões de contratação para shows e bailes foram apresentadas ao prefeito Lídio Bastos. O evento vai acontecer nos dias 7, 8 e 9 de novembro, no Parque de Exposição Juventino Correa de Moura.

Os jurados vão ser Luciano Maia, Volmir Coelho e Raineri Sphor, que, conforme os organizadores Adriano Rodrigues, José Amilcar Ferreira, Junior Rodrigues e Paula Bundt, foram escolhidos por serem artistas renomados, com atividade intensa nos festivais. “Os três nomes receberam importantes premiações durante o ano de 2013”, afirma Junior Rodrigues.

A apresentação do Ponche Verde será marcada pelas vozes de Jorge Artur e Milena Abot, que seguem a uma linha de escolha, pretendendo manter a qualidade que já é reconhecida.
Uma das atrações da noite de sábado será o grupo Tchê Barbaridade, que está com novo CD de trabalho, contendo 100% de músicas gaúchas, incluindo faixas inéditas.

Atrações musicais
De acordo com a comissão, os shows foram escolhidos mediante a avaliação de critérios como musicalidade gaúcha na sua essência, artistas que há muito tempo não vêm a Dom Pedrito, capacidade de integração das famílias, ou seja, espetáculos que possam agradar crianças, jovens e idosos.
Já os bailes, a comissão esclarece, foram contratados de acordo com a expectativa do público, alternando entre o inédito e a repetição do que deu certo na 28ª edição.

Shows e bailes

7/11, sexta-feira
Show com Gaúcho da Fronteira e baile com o Grupo Bem Campeiro, de Ijuí.


8/11, sábado
Show com o santanense Volmir Coelho e baile com Tchê Barbaridade.


9/11, domingo
Show com Berenice Azambuja.


Fonte: Rádio Fronteira Gaúcha

Jurados da Sapecada da Canção Nativa 2014


Rogério Villagran, Maicon Oliveira, Athur Mattos, Angelo Franco, Michel Martins, Ricardo Comassetto e Diego Müller compõem o corpo de jurados da 22ª Sapecada da Canção Nativa e 14ª Sapecada da Serra Catarinense. A primeira atividade dessa equipe está marcada para os dias 25, 26 e 27 de abril, quando farão a triagem das músicas inscritas. O encontro ocorre no auditório da Fundação Cultural de Lages (FCL) e é aberto ao público. Eles avaliarão letra, melodia, arranjo e apresentação em palco.

Arthur Mattos

O cantor e compositor lageano atua na música crioula desde 2002, quando iniciou como intérprete do grupo “Os Birivas”, formado por jovens dedicados a verdade e à qualidade da música campeira.  Há cinco anos participa de vários festivais nativistas como compositor e principalmente como intérprete, tendo parceria com grandes nomes do nativismo como Marcelo Oliveira, Gujo Teixeira, Zé Renato Daudt, Lisandro Amaral, Xirú Antunes, entre outros.
O destaque veio no ano de 2013 com participação na Sapecada da Canção Nativa com a música “Quando meu canto passar”, de Rafael Ferreira, Maicon Oliveira e Vitor Amorim, canção que conquistou sete troféus no festival. Na 37ª Califórnia da Canção Nativa, primeiro e principal palco dos festivais nativistas, em Uruguaiana (RS), foi finalista com a composição “Pitaluga de Luzeiro”, de Rafael Teixeira Chiappetta, Guilherme Collares e Lisandro Amaral. No primeiro semestre deste ano lançará seu segundo disco intitulado “Oração do Campo”.

Maicon Oliveira

Instrumentista, compositor e arranjador, é natural de Pinhal da Serra, no Rio Grande do Sul. Em fase final de formação no curso de medicina veterinária, reside em Lages desde 2008, onde conheceu músicos e poetas da região. Foi na Serra que iniciou suas primeiras parcerias atuando em festivais e realizando trabalhos musicais paralelos. Participou de diversos festivais nativistas no Rio Grande do Sul e Santa Catarina como a Sapecada da Canção Nativa, Ronda da Canção Gaúcha, Aldeia da Canção, Carreteada da Canção, Rodeio da Canção Serrana, Baqueria de los Pinhais, Fronteira da Canção, Comparsa da Canção, entre outros, obtendo bons resultados na maioria deles.
Iniciou seu interesse pela música aos 9 anos de idade, quando desenvolveu seus estudos com o violão, de forma autodidata. Inspirado e baseado no violão gaúcho nunca dispensou os recursos que a música universal oferece. Participou pela primeira vez da Sapecada da Serra Catarinense em 2010 com a composição “Juca Guasqueiro”, em parceria com o poeta vacariano Rafael Ferreira, e, no ano seguinte, obteve os prêmios de 2º lugar e melhor letra, em duas parcerias com o poeta lageano Ramiro Amorim. Em 2013 foi premiado com o 1º lugar, melhor letra, melhor melodia e melhor conjunto vocal na Sapecada da Serra Catarinense com a música “Quando meu canto passar”, obra essa que obteve as premiações do 3º lugar, melhor conjunto vocal e música mais popular.

Angelo Franco

Missioneiro de São Luiz Gonzaga, cantor poeta e compositor com mais de quatrocentas composições gravadas, participante assíduo dos festivais de música regional do país, nos quais já foi diversas vezes premiado como na Coxilha Nativista, Califórnia da Canção, Reponte, Musicanto Sul-Americano, Aldeia da música do Mercosul, Moenda da Canção, Festival da música Crioula de Santiago, Gauderiada da Canção, Sapecada da Canção, Festival de Músicas de Carnaval Aparício Silva Rillo, entre outros.
Tem três discos individuais: “Coplas de um Gaúcho Brasileiro” (Master 2000), “Eu sou Gaúcho”(Usa 2005) e “De Onde Venho” (Master 2010). Além dos discos solo, faz parte do Projeto Buenas e M’espalho, juntamente com Erlon Péricles, Shana Müller e Cristiano Quevedo, projeto vencedor dos prêmios açorianos de música, como melhor disco regional nos anos de 2008 e 2011 com os discos “A Bombacha da Modernidade” (Master 2008) e” #buenas_2”(Acit 2011). Angelo Franco acredita na arte autêntica, desde que com comprometimento e profissionalismo.

Michel Martins

A influência musical sempre esteve presente em sua vida através do pai e tios. Foi assim que surgiu o interesse pelo violão. Aos 12 anos já tirava alguns acordes e com 14 veio a primeira composição. Nesse período conheceu o guitarrón e se dedicou ao instrumento. Um ano depois subiu  ao palco da Sapecada pela primeira vez. De lá pra cá, participou de todas as edições desse Festival. Conquistou o 1º lugar por seis vezes, sendo duas com músicas de própria autoria.
Em 2007 começou a se apresentar com Kiko Goulart, Vitor Amorim e Índio Ribeiro no Quarteto Coração de Potro. Permaneceu com o grupo por sete anos participando de diversos festivais em Santa Catarina e no Rio  Grande do Sul, obtendo mais de 80 troféus em premiações diversas. Além dos três Estados do Sul, se apresentou em São Paulo. Gravou guitarrón nos dois discos do grupo. Paralelamente a música, atua na profissão de designer gráfico.

Rogério Villagran

Natural de São Gabriel, no Rio Grande do Sul, morou em Lages por oito anos. Poeta e compositor da linha campeira, defende e retrata as coisas e a vivência do homem do campo por ter nascido neste meio e sido criado pelos galpões. Formou-se peão de estância, ginete, domador, esquilador, guasqueiro e é profundo conhecedor dos ofícios campeiros, que hoje enriquecem e sustentam sua poesia. Ingressou nos festivais junto com Enio Medeiros, o que resultou em parcerias como “Crescente Macharrona”.
Com César Oliveira conquistou espaço no meio musical nativista participando de festivais como o Ponche Verde da Canção Gaúcha, Reculuta da Canção Crioula, Califórnia da Canção Nativa, Um Canto para Martin Fierro, Sapecada da Canção Nativa e Vigília do Canto Gaúcho. Venceu a 5ª Aldeia da Música do Mercosul com a “Milonga do peão mensual” e a 16ª Estância da Canção Gaúcha com “Meu tordilho rouba moça”. Tem um disco gravado. Em “Apegos e Anseios do Meu Canto”, César Oliveira interpreta somente composições de sua autoria.

Ricardo Comassetto

É músico, instrumentista e arranjador. Natural de São Luiz Gonzaga, começou sua carreira profissional aos 17 anos de idade. Participante ativo de festivais, obtendo premiações na maioria deles, como melhor instrumentista no Ponche Verde da Canção, Sentinela da Canção, Baqueria de Los Piñares, Comparsa da Canção Nativa, Ronda da Canção Gaúcha, Levante da Canção Gaúcha. Ganhou prêmios de melhor arranjo, 1°, 2° e 3° lugares várias vezes. Em 2009 e 2010, na Argentina, participou com Luiz Carlos Borges de um dos maiores eventos de chamamé do país.
Já atuou com diversos cantores: Luiz Marenco, Cesar Oliveira e Rogério Melo, Juliana Spanevello, Jari Terres, Fabiano Bacchieri, Raineri Spohr. Também gravou com diversos artistas gaúchos, entre eles Luiz Marenco, Lisandro Amaral, Marcelo Oliveira, Jari Terres, Joca Martins, Juliana Spanevello, Fabiano Bacchieri e Artur Mattos. Faz parte do grupo “Curandeiro Silêncio”, que acompanha os cantores Lisandro Amaral e Marcelo Oliveira. Está em fase de pré-produção do seu disco.

Diego Müller

Jovem acadêmico de arquitetura e urbanismo, atuante na área da arquitetura hospitalar e clínica, instrutor de danças folclóricas, letrista e compositor. Aos 16 anos fez seus primeiros versos, despretensiosos, tendo como influência a poética maior do músico Noel Guarany e seus descendentes missioneiros Cenair Maicá, Pedro Ortaça, Jayme Caetano Braun e Jorge Guedes. Prática que se torna essencial a seu crescimento intelectual. Três anos depois, quando começam suas participações mais ativas em festivais de músicas, se destacou na poética com visões latino-americanas.
Fez sua estreia no meio literário com uma pioneira edição. Livro lançado em 2007, por uma editora correntina, intitulado Ñande retá chamamecera (Nossa terra chamamecera), como projeto inédito de resgate do chamamé guarany antigo em forma de poesia. O livro contou com a parceria do consagrado poeta de Itaqui, João Sampaio, a quem tem hoje como seu maior parceiro.
Como letrista, traz mais de 300 obras editadas em CDs com parcerias com grandes nomes da musicalidade contemporânea gaúcha. Inspirado no resgate de temas folclóricos do povo gaúcho, brasileiro e latino-americano, desde 2000 participa do movimento nativista dos festivais como  compositor e músico. Entre alguns de seus parceiros de obras estão Jorge Guedes, Pedro Ortaça, João Sampaio, Marco Aurélio Vasconcellos, Edilbérto Bérgamo, Joca Martins, Alejandro Brittes, Elton Saldanha, Rodrigo Bauer, Martim César, Wilson Paim, Pedro Ortaça, Valdomiro Maicá, Robledo Martins, Érlon Péricles, Cristiano Quevedo.
Já dividiu palco com grandes nomes do nativismo musical, incluindo apresentações com Ramon Ayala, expoente da musicalidade latino-americana, missioneira e guarany. Atualmente finaliza dois projetos fonográficos intitulados “Coração da minha gente”, em parceria com Érlon Péricles, contendo temas exclusivos de sua participação em festivais.


Fonte: Rádio Fronteira Gaúcha

Agenda Os Mateadores


Confraria Ventania recebe "Akadimia"


A “selfie” bagual de Joca Martins


O show começa. O cantor Joca Martins embala o público presente com as músicas que marcaram a sua carreira, com as canções clássicas do canceiro gaúcho e com os seus atuais sucessos, como “Chapéu Torto”, “Campeira”, “Eu Sou Bagual” e “Jipão Campeiro”.

De repente chega um dos momentos mais aguardados pelos fãs, que já estão acostumados a acompanhar o artista seja nos shows ou pelas redes sociais. É o momento da “foto”. E não é qualquer foto.

É a hora em que Joca Martins convida todos para participarem da sua foto. O cantor tira o telefone do bolso, vira para o palco enquadra ele e o público e tasca a foto. O público fica bem juntinho atrás do cantor para sair no retrato que será divulgado em todas as suas redes sociais de Joca Martins. Só no Facebook já são mais de 100 mil fãs.

Conhecido como um dos artistas gaúchos mais engajados nas redes sociais, Joca Martins há tempos incorporou ao show o momento de se fotografar-se com o público. A ação do cantor gaúcho agora é moda e chamada em inglês de “selfie”. A expressão quer dizer tirar fotos de si ou com amigos e compartilhar nas redes sociais.

Para quem gosta de utilizar palavras em inglês isso quer dizer fazer uma “selfie”, mas para o cantor Joca Martins, que há muito tempo faz isso sem saber que viraria moda, o ato é uma confraternização com os fãs que admiram o seu trabalho.

Confira abaixo três ângulos, de um mesmo evento, da “selfie”, de Joca Martins. A primeira foto foi feita pelo jornalista Giovani Grizotti, do Blog Repórter Farroupilha (http://g1.com.br/reporterfarroupilha), a segunda pela assessoria de imprensa do cantor e a terceira, a real “selfie” bagual, feita pelo próprio Joca Martins.

Para acompanhar todas as publicações de “selfie” baguais e também outros compartilhamentos do cantor nas redes sociais é só acessar o Facebook (http://facebook.com/jocamartinsoficial), o Twitter (http://twitter.com/jocacantor) e o Instagram (@jocacantor). As notícias também são divulgadas em seu site www.jocamartins.com.br e em seu blog http://blogdojocamartins.blogspot.com.

-------------------

Daiana Silva
Diretora de Comunicação
contato@daianasilva.com.br