sexta-feira, 29 de maio de 2015

Nativismo gaúcho perde dois ícones entre ontem e hoje

ARTHUR BONILLA MORRE EM ACIDENTE


O músico Arthur Bonilla morreu na manhã desta sexta-feira (29) em acidente na BR-158 em Pejuçara, no noroeste gaúcho. Ele voltava do festival Carijo da Canção Gaúcha, em Palmeira das Missões.

Bonilla perdeu o controle do veículo Focus no km 184 da rodovia, e saiu da pista. De acordo com a Polícia Rodoviária, a suspeia é de que ele estivesse sem cinto. Não havia mais ninguém no veículo.

Arthur Bonilla era um violonista conhecido por fazer diversos trabalhos com Yamandú Costa e Borghetinho. Também dividiu o palco com grandes nomes da música instrumental do Brasil, como Dominguinhos. Com Renato Borghetti, Artur Bonilla realizava frequentes apresentações por todo o Brasil e também no exterior.

Correção: Diferentemente do que foi publicado nesta notícia, às 11h28 do dia 29 de maio de 2015, o acidente ocorreu em Pejuçara, e não em Panambi. A informação foi corrigida no mesmo dia, às 14h30.

Fonte: Rádio Gaúcha

MORREU O ESCRITOR SERGIO NAPP



O escritor e letrista Sergio Napp morreu por volta das 22h desta quinta-feira, aos 75 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória. Ele estava internado no Hospital Moinhos de Vento havia dois meses. Ainda não há informações sobre velório e enterro.

– Ele era uma pessoa fantástica, uma pessoa sensível e um pouco melancólico até. Mas quem escreve tem que ter essa visão. Era uma pessoa que adora viajar. Super honesto, fiel. Um cara com um humor brincalhão, que muitas vezes as pessoas não entendiam – lamentou a nora, Tânia Michelena.

Engenheiro e professor universitário nascido em Giruá, Noroeste do Rio Grande do Sul, em 1939, Napp foi um intelectual múltiplo. Ficou conhecido por canções clássicas do regionalismo gaúcho, como Canto Livre, composta em parceria com Fernando Cardoso e Jair Kobe, e Desgarrados, com Mário Barbará.

Vencedoras de festivais nativistas no início dos anos 1980, essas músicas deram reconhecimento ao autor que desde a década de 1960 vinha se dedicando à poesia e à composição. São dele as canções Meus Olhos, gravada por Elis Regina, Pequeno Sol, por Hebe Camargo, e Tempo de Partir, por Clara Nunes e Walter Matesco.

Desgarrados faturou a Calhandra de Ouro na Califórnia da Canção Nativa, em 1981, e foi regravada dezenas de vezes, inclusive na Alemanha. Canto Livre acabou originando o grupo vocal homônimo, lançado com o disco de mesmo nome, também de 1981.

A formação original do Canto Livre, incluindo Jair Kobe, o Guri de Uruguaiana , reuniu-se para um show que levou grande públicp ao Theatro São Pedro em agosto de 2014.

Durante toda a década de 1980, Sergio Napp recebeu prêmios em diversos eventos da chamada era de ouro dos festivais no Rio Grande do Sul. Atuando com os parceiros de Desgarrados e Canto Livre, compôs Campesina, Recuerdos, Morada e Esse Gaiteiro, entre outras.

Com Marco Aurélio Vasconcellos, assinou Punhais de Valentia. E, com Edson Vieira e Cláudio Amaro, O Grito e Paisagem, esta última vencedora da Tertúlia da Canção Nativista, de Santa Maria, em 1986. Em 1987, Napp assumiu a direção do então incipiente projeto da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ), participando do projeto de recuperação do Hotel Majestic, onde o centro cultural seria inaugurado nos anos seguintes.

Ele dirigiria a CCMQ em duas outras oportunidades, em 1997 e 2003. Ao longo desse período, destacou-se com a publicação de romances como Jogo de Circunstâncias e Pássaro dos Dias de Verão, ambos pela editora Tchê, livros de poesia, como Memórias das Águas (IEL) e Caixa de Guardados (Travessa dos Editores), e volumes infantojuvenis, a exemplo de A Gangue dos Livros (WS Editor).

Algumas de suas centenas de canções estão reunidas nos discos Claridade, com músicas de temática urbana, e Mala de Garupa, este voltado aos temas regionalistas. Está presente em diversos outros registros, como Angela Jobim Canta Sergio Napp (álbum de 2008), Frente&Verso (parceria com Sérgio Souto), Signos (com Luciah Helena) e Vivências (com Geraldo Flach e Victor Hugo, atual secretário de Estado da Cultura).

Napp foi colunista de Zero Hora. Seu último texto publicado na coluna Pampianas, no Segundo Caderno, foi Rádio de Pilha, em 7 de fevereiro deste ano. Seu último livro foi No Cafundó das Estrelas, de poesia infantojuvenil, que saiu em 2013 com o selo da editora Paulinas.

Sergio Napp deixa a mulher, Loreta, e dois filhos, André e Eduardo.

Matéria e foto: Jornal Zero Hora
Fonte: blog do Léo Ribeiro

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Noites de milonga com Lucio Yanel em Santa Maria


Cristiano Quevedo em Palmeiras das Missões-RS


Grupo Macuco no Paiol espaço nativo


Agenda de shows César Oliveira & Rogério Melo


Agenda de shows Os Serranos


Jairo "Lambari" Fernandes em Osório-RS


Parelha - Cristiano Quevedo & Érlon Péricles - em Palmeira das Missões-RS


30ª Carijo da Canção Gaúcha AO VIVO


A 30ª edição do Festival Carijo da Canção Gaúcha contará com a transmissão on line de todas as atrações artísticas do palco principal, através do site oficial www.carijo.rs com o suporte e apoio da GlOBALL TELECOM que também presta todo o suporte e administração do site do festival e disponibilizará sinal de internet por vários pontos do Parque Municipal de Exposições possibilitando navegação na web de qualidade para toda a imprensa, produção, público, inclusive na Mip. A Comissão do Carijo agradece a GLOBALL TELECOM pela disponibilização da estrutura que permite essa transmissão, levando o nosso festival para todo o mundo através da internet.


Informações da Página Oficial do evento
Fonte: blog Identidade Campeira

25º Tafona de Osório AO VIVO pela Rádio Momento


25º Tafona da Canção Nativa de Osório, Rádio Momento FM 98.1 - para fora de Osório, www.radiomomento.com.

Confira as músicas classificadas aqui!


Colaboração: Diego Oliveira
Fonte: blog Identidade Campeira

Regulamento do 9ª Festival de Arte e Cultura Seiva da Terra


A Comissão Organizadora do Festival de Arte e Cultura Seiva da Terra – Modalidade Música – 9ª Edição tem por objetivo promover e divulgar a música, produzida por grupos e pessoas amadoras ou profissionais, que se dedicam a escrever e cantar, as belezas e a história de nossa terra, fomentando assim, o intercâmbio cultural local, regional, nacional e internacional.

O Festival de Arte e Cultura Seiva da Terra – Modalidade Música – 9ª Edição realizar-se-á nos dias 26, 27 e 28 de junho de 2015, no Auditório do Centro Municipal de Eventos Joaquim Américo Souza e Silva, município do Rio Grande, às 20h, durante a realização da 37ª FEIRA DE ARTESANATO DO RIO GRANDE – FEARG e 20ª FEIRA DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA – FECIS.





Fonte: blog Identidade Campeira

É de Passo Fundo a 1ª Prenda do Rio Grande do Sul

Prendas Mirins do RS 2015/2016
3ª Prenda Mirim - Milena Oliveira Correa 4ªRT - Centro Farroupilha De Trad.Gaúcha - Alegrete
2ª Prenda Mirim - Yasmin De Castro Reinehr - 20ªRT - CTG Tropeiros Do Buricá - Três De Maio
1ª Prenda Mirim - Gabriely Portela Ramos - 7ªRT - CTG Sentinelas Do Pago - Marau

Prendas Juvenis do RS 2015/2016
3ª Prenda Juvenil - Daiana Dal Ros - 9ªRT - CTG Clube Farroupilha - Ijui
2ª Prenda Juvenil - Jéssica Villar Rodrigues - 18ªRT - CTG Prenda Minha - Bagé
1ª Prenda Juvenil - Tassya Pereira Marasciulo - 6ªRT - CN Sentinela Do Rio Grande - Rio Grande

Prendas Adultas do RS 2015/2016
3ª Prenda - Diana Juciéli Ribeiro - 3ªRT - CTG Fronteira Da Amizade - Tuparendi
2ª Prenda - Aline Almeira De Souza - 8ªRT - CTG Alexandre Pato - Lagoa Vermelha
1ª Prenda - Marina Giolo - 7ªRT - CTG Lalau Miranda - Passo Fundo

Em 2016 Passo Fundo será sede da Ciranda Cultural de Prendas


Fonte: blog do MTG-RS

A Maçonaria e a Tradição Gaúcha nos dias atuais

Fraternidade Gaúcha no Acampamento Farroupilha de Porto Alegre

Passada a Revolução Farroupilha, que teve grande influência da maçonaria, a Ordem Maçônica, durante a Revolução Federalista (1893) e a Revolução de 1923 que visava destituir do poder o governador Borges de Medeiros, enclausurou-se nos templos vindo a fazer-se presente com grande intensidade com o surgimento do Movimento Tradicionalista na década de quarenta, com o surgimento do Grupo dos Oitos, liderados por Paixão Côrtes (embora este tenha se tornado maçom já aos setenta e tantos anos).

De lá para cá o que se vê é uma grande interação de membros da maçonaria com inclinação para o gauchismo. São inúmeros os poetas, músicos, cantores, escritores, fazendo esta miscigenação da cultura regional gaúcha com a filosofia oriunda dos Obreiros de Salomão.

Em diversas Lojas do Rio Grande do Sul existe Centros de Tradições voltados para a preservação dos costumes rio-grandenses (o maior que conheço é o da Fraternidade Terceira, de Caxias do Sul), ou mesmo galpões instalados nas dependências dos Templos, como é o caso da Fiat Lux, de Canoas. Além disto, foram fundados nas grandes Potências Maçônicas, departamentos com o intuito de pesquisar e difundir a tradição junto da irmandade. Nas Grandes Lojas do Rio Grande do Sul existe o Mala de Garupa, e no Grande Oriente do Rio Grande do Sul foi fundado o Fraternidade Gaúcha, que realiza um dos maiores festivais de poesia do Estado e que eu tive a honra de ser o segundo patrão.  

Por ocasião das comemorações farroupilhas, em setembro, dezenas de Lojas preparam uma sessão gaudéria, com ritualística apropriada, os Irmãos pilchados... coisa de arrepiar. E a maior (destas sessões) que  já vi, por incrível que pareça, foi organizada pelo Grande Oriente do Paraná, na cidade de Cascavel, onde, se o Grande Arquiteto do Universo nos permitir, retornaremos neste mês de setembro vindouro.
 
  Fraternidade Gaúcha no Desfile Farroupilha de Porto Alegre


Fonte: blog do Léo Ribeiro

A influência Maçonica na Revolução Farroupilha

 Após a postagem de ontem sobre a maçonaria, recebemos algumas correspondências querendo saber mais sobre a Ordem e, especialmente, a influência que os maçons tiveram na Revolução Farroupilha. Realmente, exaltados pela independência os brasileiros se dividiam entre Liberais (também chamados de farroupilhas) e Conservadores. No Rio Grande do Sul os maçons dominaram o partido liberal, adeptos da maçonaria francesa de inspiração iluminista e republicana que prejugava a independência dos três poderes (executivo, legislativo e judiciário), a livre iniciativa e a propriedade privada, considerando a Monarquia brasileira um atraso ao desenvolvimento.

Dizia-se que todas as decisões tomadas de público pelos liberais já tinha sido amplamente discutido em segredo no recesso das Lojas, sendo a mais conhecida a Philantropia e Liberdade, fundada em Porto Alegre em 1831.

Próceres liberais mantinham estreito contato com maçons de idêntica orientação no Uruguai e na Argentina, sendo famosa a amizade de Bento Gonçalves, de cognome “Sucre” com Antonio Lavalleja, prestigioso caudilho uruguaio.

Diversos revolucionários, de ambos os lados do conflito eram maçons como seus líderes (o já citado Bento Gonçalves e Duque de Caxias), o General Antônio de Souza Neto, José Mariano de Matos, José Gomes de Vasconcellos Jardim, Pedro Boticário, Vicente da Fontoura, Paulino da Fontoura e Domingos José de Almeida bem como o general imperial Sebastião Barreto e o governador da província, Fernandes Braga, entre outros.

Até o fim da guerra, em 1845, havia nove sedes da fraternidade na província (na frente de batalha, eram montadas lojas itinerantes).

A fuga de Bento do Forte de São Marcelo, na Bahia, é um dos episódios da insurreição em que a maçonaria teve papel mais relevante. Além disso, a Arte Real se fez presente na bandeira, no hino e na Constituição rio-grandense. 

Mas isto é uma matéria longa que trataremos mais a miúde ali por setembro, na época certa.


Fonte: blog do Léo Ribeiro

Câmara instala CPI do Acampamento Farroupilha nesta quarta-feira

Os vereadores da Capital instalarão, às 10 horas desta quarta-feira (27/5), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que analisará a aplicação de recursos públicos nos eventos anuais dos festejos do Acampamento Farroupilha, realizados no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho. A proposição é de autoria do vereador Bernardino Vendruscolo (PROS), que, como proponente da CPI, deverá ser eleito para presidir os trabalhos. No dia 20 de abril passado, Vendruscolo protocolou o requerimento nº 42 com as 12 assinaturas necessárias para a abertura da investigação. Subscreveram o requerimento da CPI, além de Vendruscolo, os vereadores Alex Fraga e Fernanda Melchionna, ambos do PSOL; Jussara Cony (PCdoB); Alberto Kopittke, Marcelo Sgarbossa, Sofia Cavedon, Mauro Pinheiro e Engenheiro Comassetto, todos do PT; Lourdes Sprenger (PMDB); Cláudio Janta (SDD); e Dr. Thiago Duarte (PDT).

No documento, Vendruscolo apresenta sete fatos determinados: a confusão entre público e privado na contratação dos serviços com recursos públicos; as informações controversas sobre empresas conveniadas aos Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) e a Fundação Cultural Gaúcha (FCG); as discrepâncias substanciais nas informações prestadas pelo representante do MTG/FCG; como se deu o processo de aquisição de uma camionete para o evento; as discrepâncias no demonstrativo de receitas referente ao comércio local; as discrepâncias na aquisição de banheiros químicos; e as dificuldades impostas pelo governo ao processo de fiscalização pela Câmara Municipal quanto aos gastos e receitas com os festejos da Semana Farroupilha.

O texto ainda refere outras dúvidas e críticas, tanto ao governo municipal como aos organizadores do evento, em especial ao representante do MTG/FCG, por não terem colaborado na apresentação da prestação de contas completa e transparente das receitas e gastos do evento nos canais e prazos oficiais estabelecidos pelo Poder Legislativo, como a Comissão de Finanças, Orçamento e do Mercosul (Cefor).

Texto: Milton Gerson (reg. prof. 6539)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)
Foto: Elson Sempé Pedroso


Colaboração: Câmara de Porto Alegre